• Herbig Soluções Financeiras

Como se preparar financeiramente para envelhecer?

Envelhecer é um processo natural da vida, ainda que a busca pela juventude eterna seja uma jornada antiga da humanidade. Aliás, já faz tempo que o avanço da idade deixou de ser um impedimento para mudanças, já falamos um pouco sobre isso em Qual o melhor momento para começar a empreender? Então, como estamos vivendo mais, precisamos nos preparar financeiramente para envelhecer já.


Quanto mais aprendemos sobre saúde e bem-estar, mais a expectativa de vida aumenta. Se nos anos 1980 a expectativa de vida era de 62,5 anos, em 2016 esse número chegou a 75,8 anos, sendo que continua crescendo, conforme pesquisa realizada pelo SPC em 2018. Tanto que muitos idosos esperam viver até os 90 anos. Além disso, segundo o IBGE a taxa de natalidade caiu bastante nas últimas décadas, alcançando a média de 1,77 filhos por mulher.


Considerando o rápido envelhecimento da população e queda da natalidade a previsão é que em 2060 os idosos representarão ¼ da população brasileira. Já a população infanto-juvenil, entre 0 e 14 anos, representará somente 14,7% da população. Além do mais, 41% dos idosos estão gastando mais dinheiro com produtos que desejam, que com itens relacionados às necessidades básicas. Portanto, se preparar financeiramente para envelhecer garante uma velhice mais tranquila.


Antes de falar sobre a importância do planejamento financeiro para envelhecer, precisamos entender o custo de vida de uma pessoa na terceira idade, que é diferente das mais jovens. Visto que, além dos custos de vida básicos como: aluguel, impostos, luz, água, financiamento, entre outros, o envelhecimento proporciona outros custos relacionados à manutenção da saúde e bem-estar na terceira idade.



Plano de Saúde


Quanto maior a idade, mais caro o plano de saúde, logo é preciso se planejar para conseguir manter um plano de saúde de qualidade. Até os idosos que usam o sistema público de saúde precisam de uma reserva para deslocamentos e tratamento de doenças. Que tendem a crescer com o avanço da idade, especialmente no caso de pessoas sedentárias que não investiram num estilo de vida mais saudável.


Medicamentos


Nem todo idoso precisa tomar muitos medicamentos, mas o custo dos remédios é muito elevado no Brasil e impacta as finanças na terceira idade. Ainda que seja possível pegar alguns no SUS, nem todos os medicamentos estão disponíveis de forma gratuita.


Cuidados de terceiros


Idosos com a saúde debilitada precisam de atenção frequente. Até os que têm saúde em dia não podem ficar longos períodos sem supervisão. Logo, aqueles que não têm o apoio da família vão precisar contratar um profissional para acompanhar. Mais um aspecto que eleva consideravelmente o custo de vida na terceira idade.


Planejamento financeiro


Não cansamos de repetir esse mantra, pois ele salva vidas. Chegar à terceira idade com recursos suficientes para investir no bem-estar e não gastar mais que o necessário com a saúde exige planejamento financeiro. Sempre considerando todas as despesas e interesses. Com bom senso, claro!

Ops!! Já estou na terceira idade e não planejei nadinha


Não se desespere, existem algumas coisas que podem ser feitas para ajudar na administração da sua renda. A primeira delas é compartilhar todas as decisões em relação ao seu dinheiro com pessoas de confiança. Aqui não estamos dizendo para você pedir permissão para gastar seu dinheiro.


Afinal, ninguém sabe de tudo não é mesmo?É interessante entender as taxas bancárias e opções de bancos sem taxas, ou os juros dos empréstimos, já que pessoas na terceira idade recebem uma avalanche de propostas de diferentes instituições. Entender como funciona o gerenciamento do dia a dia. Não deixe de compartilhar suas inseguranças com os familiares. Principalmente, com as pessoas que moram com você e dividem as despesas.


Revise o planejamento financeiro periodicamente


Revise seu planejamento de tempos em tempos, visto que ele precisa ser revisado ao longo do tempo. Como a expectativa de vida muda conforme o avanço da idade, o planejamento realizado aos 60 anos é diferente do que será feito aos 80 anos.


Nesse caso você pode procurar ajuda de um consultor financeiro, um profissional que entenda do assunto e vai auxiliar nessa revisão do seu plano de finanças.


Casos em que existe um empréstimo acontecendo é preciso entender como será feita a cobrança, ou se é uma dívida que outra pessoa terá que assumir na sua ausência. Além disso, não opte por produtos de risco sem compreender como eles funcionam. Entendemos que a geração de renda também é muito importante na terceira idade, já que a aposentadoria não dá conta de tudo, mas é preciso ter cautela antes de mergulhar num investimento sem conhecimento.


Entenda como o dinheiro está sendo usado


Fazer um levantamento de todas as despesas para entender a porcentagem que está sendo gasta com alimentação, saúde, moradia, etc. Afinal de contas, o planejamento financeiro é essencial até para garantir a saúde emocional, para uma vida mais tranquila, ou para permitir a escolha de novos caminhos.



O que fazer para me preparar financeiramente para envelhecer?


Ainda não estamos preparados para o envelhecimento, por esse motivo não planejamos a velhice.

Portanto, a aposentadoria deve ser pensada a partir do momento que começamos a trabalhar, não somente no final da carreira. Logo, existem elementos importantes nesse processo de pensar o futuro.


Primeiro, determinar o que eu quero


A qualidade de vida deve ser o principal objetivo do planejamento financeiro para envelhecer, uma vez que estabelece o investimento necessário para viver com dignidade: pagar um bom plano de saúde, manter uma alimentação saudável, lazer, entre outras coisas. Lembrando que tudo o que fazemos hoje impacta a nossa saúde no futuro. Desse modo, um estilo de vida mais saudável vai garantir uma velhice mais plena.


Previdência social


Quando foi criada, a previdência social conseguia atender a demanda do país, no entanto, com o envelhecimento da população, queda da natalidade e aumento da expectativa de vida não está dando conta do recado. Isso significa que é importante pensar numa forma de complementar a aposentadoria, já que a previdência está passando por um processo de transformação, por isso, talvez não seja suficiente para suprir suas necessidades.


Além disso, pode acontecer uma defasagem do valor recebido com relação à renda atual. Já que há um teto máximo de até 10 salários mínimos, e ajustes futuros que já estão em pauta.

Antes de escolher a melhor opção de investimento temos que considerar o perfil do consumidor: se é mais controlado ou não. A previdência complementar é uma boa alternativa, pois permite dedução no imposto de renda. CDBs, CDIs e Títulos do tesouro são opções interessantes pensando no futuro, em termos de retorno em longo prazo.


Precisando começar o seu planejamento financeiro? Ou revisar porque não é mais a mesma pessoa? Comece uma de nossas mentorias de finanças pessoais para juntas criarmos uma estratégia para as suas finanças.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo